Você está aqui: Página Inicial > Assuntos > Potencialidades - Plantas para uso medicinal ou cosmético

Potencialidades - Plantas para uso medicinal ou cosmético

por Márcio Gallo publicado 10/04/2017 11h51, última modificação 10/04/2017 11h51

A Amazônia tem sido o centro das atenções mundiais em virtude da riqueza de sua biodiversidade que precisa ser conservada para garantir a qualidade de vida não somente da geração atual, mas também das gerações futuras.

Essa situação privilegiada da região constitui um diferencial que tem atraído a atenção das indústrias brasileiras e internacionais que utilizam produtos e essências naturais para formulação de medicamentos, vacinas e cosméticos. De fato, as indústrias farmacêuticas nacional e internacional, especialmente esta última, vem buscando nas plantas da Amazônia ou domesticadas na região, essências, produtos e formulações para produção de medicamentos, vacinas e outras formas de terapias, objetivando a industrialização e comercialização em larga escala de, aproximadamente, 5000 princípios ativos.

Atento a essa alternativa concreta de investimentos na região e preocupado em desenvolver a região em sintonia com o meio ambiente, o Governo Brasileiro criou programas e instituições voltados à execução de pesquisa básicas e aplicadas com utilização de matéria-prima local. Uma dessas instituições é o Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA), cuja estrutura e missão atende perfeitamente às oportunidades de negócios a partir do aproveitamento sustentável da biodiversidade regional.

Em que pese essa situação privilegiada da região, os recursos florestais existentes, via de regra, são comercializados apenas como matéria-prima, sem nenhum processo de beneficiamento, deixando de agregar valor ao produto, contribuindo para uma restrição na geração de emprego e na renda, principalmente para a população interiorana. Assim, a utilização de plantas nativas na industrialização de medicamentos e cosméticos é uma oportunidade de negócios que certamente proporcionará efeito multiplicador na economia regional.