Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Academia de História do Amazonas outorga medalha de honra à Superintendente da SUFRAMA

Notícias

Academia de História do Amazonas outorga medalha de honra à Superintendente da SUFRAMA

Comenda se deu pelos altos serviços prestados aos povos do Amazonas, da Amazônia e do Brasil.
publicado: 16/02/2011 00h00 última modificação: 25/04/2016 17h12

A Academia de História do Amazonas, em solenidade realizada nesta terça-feira, 15, no auditório da SUFRAMA, homenageou a Superintendente da Zona Franca de Manaus, Flávia Skrobot Barbosa Grosso, com a outorga do Diploma e Medalha de Honra ao Mérito “Poeta Hemetério Cabrinha”, pelos altos serviços prestados aos povos do Amazonas, da Amazônia e do Brasil.

Presidida pelo acadêmico Moacir Andrade, a solenidade teve como ponto alto o discurso do poeta e escritor amazonense Max Carphentier. Segundo ele, a SUFRAMA, pela sua natureza jurídica e importância no desenvolvimento da Região, tem pelo menos quatro características intensas: para ela convergem visões às vezes antagônicas e inquietantes de postulados econômicos e tributários; sobre ela incidem sedentas formulações políticas e sociais; cercam-na os olhos esbugalhados das ambições de todos os gêneros; ressoam em sua estrutura antigas e novas vozes que conclamam para o nosso Estado a defesa inteligente das nossas riquezas, a promoção do homem, a proclamação deste perpétuo laboratório da vida que abrigamos entre as águas mais generosas, a fauna mais variada, a flora mais perseguida. E nesse cenário, o renomado escritor destaca a figura de Flávia Grosso, que num cerco de pressões atravessa uma multidão de reivindicações, uma selva de gráficos de demandas e de metas, tendo de promover resultados, harmonizar contraditórios, mediar desigualdades, eliminar desacertos, consolar penúrias.

Para Max Carphentier, a SUFRAMA tem sido um campo de provas, pela sua capacidade de para-raios de problemas regionais, que de aventurada aspiração de porto especial passa a constituir-se em poderoso instrumento de igualdade social, amenizando as diferenças históricas entre o mar e o rio, entre a indústria protegida e o extrativismo desamparado.

Impossibilitada de comparecer à solenidade, a Superintendente da Suframa, que se encontrava em reunião, em Brasília, foi representada pela filha Caroline Grosso, que leu uma mensagem onde Flávia Grosso destacava a importante contribuição de servidores e colaboradores na defesa do modelo Zona Franca de Manaus e com esse apoio ao longo de sua gestão foi possível trabalhar e contribuir para que o Polo Industrial de Manaus conquistasse avanços, vencesse uma crise que assustou o mundo e fechasse o ano de 2010 com recorde histórico de faturamento de 35 bilhões de dólares e geração de empregos a mais de 108 mil trabalhadores.