Você está aqui: Página Inicial > Notícias > CAS aprova 37 projetos industriais e investimentos de US$ 134,50 milhões em sua 247ª Reunião Ordinária

Notícias

CAS aprova 37 projetos industriais e investimentos de US$ 134,50 milhões em sua 247ª Reunião Ordinária

São 10 de implantação e 27 de ampliação, atualização e diversificação.
por Diego Queiroz publicado: 04/11/2010 00h00 última modificação: 29/04/2016 11h59

Um total de 37 projetos industriais, sendo 10 de implantação e 27 de ampliação, atualização e diversificação, foi aprovado nesta quinta-feira (4) durante a 247ª Reunião Ordinária do Conselho de Administração da Superintendência da Zona Franca de Manaus (CAS). Os projetos aprovados preveem investimentos fixos de US$ 134,520 milhões e a geração de 860 novos postos de trabalho ao longo dos próximos três anos no Polo Industrial de Manaus (PIM).

Entre os projetos de ampliação, diversificação e atualização, os maiores destaques foram os das empresas Whirpool Eletrodomésticos, visando à retomada da produção nacional de máquinas de lavar louças a partir do PIM; Digibrás Indústria do Brasil, voltado à produção de unidade acionadora de disco magnético rígido (HDD), o que será o terceiro empreendimento instalado no PIM voltado à produção desse componente; e o da Continental Indústria e Comércio Automotivos, direcionado à produção de rastreadores para veículos automotores.

Com relação aos projetos de implantação, os mais representativos na pauta foram os projetos da Semp Toshiba Componentes e Brivictory do Brasil Indústria de Componentes Eletrônicos, ambos destinados à produção de dispositivos de cristal líquido (LCD) para televisores e monitores de vídeo. A expectativa é de que a implantação das duas empresas contribuirá ainda mais para o adensamento da cadeia produtiva de televisores no polo, uma vez que o dispositivo de LCD representa um dos principais insumos utilizados na fabricação de televisores com alta tecnologia agregada.

Segundo a superintendente da Zona Franca de Manaus, Flávia Grosso, a pauta diversificada de projetos aprovados foi mais uma vez a marca da reunião do CAS e vai colaborar, sobretudo, para aumentar a capacidade do Polo Industrial de Manaus de atrair novos investimentos e gerar atividades de emprego e renda na região. “Aprovamos investimentos pontuais e de grande relevância, como os de adensamento da cadeia produtiva de televisores e de duas rodas e o de fabricação da máquina de lavar louças, bem como os projetos voltados à produção de bens de informática, que muito contribuirão para o desenvolvimento de atividades de pesquisa e desenvolvimento na Zona Franca de Manaus”, afirmou a superintendente.

De acordo com o secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Ivan Ramalho, a aprovação de projetos que preveem a fabricação de produtos com alto valor agregado representa uma ação importante não apenas para o Estado do Amazonas, mas para a economia do país como um todo. “A Zona Franca de Manaus tem provado continuamente que o Brasil reúne todas as condições necessárias para produzir e vender produtos industrializados de alto valor agregado e competitivos nos principais mercados mundiais”, disse Ramalho.

Logística em pauta
Além da aprovação de 37 projetos industriais para o PIM, a 247ª reunião do Conselho de Administração da SUFRAMA também foi marcada por discussões quanto a um tema pontual para o modelo Zona Franca de Manaus: logística. O assunto contou com deliberações de diversos conselheiros, os quais se mostraram preocupados, sobretudo, com o acidente ocorrido no Porto Chibatão no último dia 17 de outubro e os potenciais prejuízos para a indústria e comércio da Zona Franca de Manaus. Estima-se que o Porto Chibatão seja responsável, atualmente, por 60% da movimentação de cargas no Estado do Amazonas.

O conselheiro representante das Classes Trabalhadores, Ricardo Miranda, afirmou que a paralisação das atividades do Porto Chibatão tem gerado preocupação tanto à classe trabalhadora quanto à classe empresarial. “Se uma solução não for encontrada em breve, a tendência é que o atraso na liberação de mercadorias faça com que as empresas parem suas linhas de produção e cortem trabalhadores”, disse.

Segundo a conselheira representante do Ministério dos Transportes, Yolanda Correa Pereira, a situação já está sendo analisada de perto pelo Governo Federal, que constituiu um grupo técnico de trabalho que terá o papel de buscar soluções em caráter de urgência para a questão. “Além disso, está em andamento o processo de licitação para a construção de um novo porto na área da antiga Siderama, em Manaus”, disse a conselheira.

Segundo a superintendente da SUFRAMA, Flávia Grosso, a autarquia também está trabalhando em conjunto com diversas esferas do governo e da iniciativa privada para buscar soluções para os problemas de infraestrutura e de logística do Polo Industrial de Manaus. “Lamentamos o acidente ocorrido no Porto Chibatão, mas estamos buscando em conjunto as soluções mais prudentes para evitar os prejuízos”, afirmou, complementando que a SUFRAMA segue trabalhando para atrair investimentos que venham reforçar as alternativas logísticas e de infraestrutura portuária do PIM. “Hoje, inclusive, estaremos recebendo uma equipe de empresários italianos que demonstraram interesse em fechar uma parceria público-privada com o Governo Brasileiro para investir na construção de um novo porto na capital”, completou.