Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Comitiva do Equador propõe parceria com a SUFRAMA

Notícias

Comitiva do Equador propõe parceria com a SUFRAMA

Durante reunião em Manaus, foram tratados temas como a efetivação da rota Manta-Manaus, a cooperação técnica com a autarquia para desenvolver as zonas especiais equatorianas e a exportação de smartphones produzidos no Polo Industrial de Manaus.
por Enock Nascimento publicado: 03/03/2016 15h20 última modificação: 03/03/2016 16h25

As vantagens bilaterais da efetivação da rota Manta-Manaus, a cooperação técnica da SUFRAMA para desenvolver as zonas especiais equatorianas e a exportação de smartphones produzidos no Polo Industrial de Manaus (PIM) para o Equador. Esses foram alguns dos temas discutidos na tarde dessa quarta-feira (02), na sede da autarquia, em reunião envolvendo equipe técnica da SUFRAMA e delegação equatoriana.

O superintendente adjunto de Operações da autarquia, Adilson Vieira, recebeu a comitiva liderada pelo embaixador do Equador no Brasil, Horacio Sevilla Borja. O diplomata fez questão de parabenizar a autarquia pela vitória na luta pela prorrogação da vigência dos incentivos fiscais do modelo Zona Franca de Manaus (ZFM) até 2073. Adilson Vieira agradeceu a presença da comitiva e destacou que a maior integração econômica com o Equador, em especial considerando-se a rota logística Manta-Manaus, será importante instrumento para o fortalecimento da competitividade dos produtos do PIM.

Durante a exposição sobre o funcionamento do modelo ZFM, os membros da delegação equatoriana fizeram várias perguntas detalhadas e comentários sobre a possibilidade de incremento comercial entre Brasil e Equador. Quando foi mencionado, por exemplo, que do Aeroporto Internacional Eduardo Gomes saem voos frequentes para Miami, os equatorianos demonstraram interesse de usar essa via para exportar flores. Os equatorianos também propuseram que a SUFRAMA assine um acordo de cooperação técnica para fortalecer as zonas especiais de desenvolvimento instaladas naquele país. A ideia é que a parceria seja feita nos mesmos moldes do que a celebrada com a Zona Franca da Terra do Fogo, na Argentina.

Celular e Camarão
Na reunião também foi abordada a queda de negócios entre o Amazonas e o Equador. Em 2010, o Estado exportou mais de US$ 40,3 milhões e importou US$ 412,6 mil. Em 2015, o Amazonas exportou cerca de US$ 3.8 milhões e praticamente não fez importações.

A principal razão apontada para a diminuição dos valores de exportação foi a decisão do governo equatoriano de restringir a compra de telefones celulares fabricados no PIM. Os equatorianos afirmaram que uma das principais razões para a medida se deve ao fato do país ter dolarizado a sua economia e, por não contar com política monetária nem poder imprimir a moeda americana, precisa controlar a quantidade de dólares em circulação.

Ficou acertada a participação da SUFRAMA numa reunião que irá ocorrer em Brasília, no próximo dia 15, envolvendo os ministros de comércio exterior dos dois países. Entre as pautas, a possibilidade de um acordo para permitir a venda de smartphones oriundos do PIM. Por seu lado, os equatorianos querem que o governo brasileiro derrube as barreiras sanitárias que impedem que o país venda no Brasil produtos como camarão e banana.

Manta
A delegação equatoriana também ressaltou que haverá o encontro entre os ministros de transporte dos dois países, em Brasília, nos próximos dias 29 e 30. Um dos principais temas será a definição de etapas para a reforma do Porto de Tabatinga, município distante 1.108 km de Manaus em linha reta.

“Foi muito importante quando a presidente Dilma Rousseff e o presidente Rafael Correa definiram que a viabilização da rota Manta-Manaus é prioridade dos dois governos. O Equador está fazendo tudo o que pode para essa rota se concretizar, pois estamos pensando prioritariamente em negócios com a Zona Franca de Manaus. Afinal, a Amazônia deve ser nossa sócia natural”, observou o embaixador.

Os equatorianos explicaram detalhes de obras feitas para viabilizar o Eixo Multimodal Manta-Manaus e ressaltaram que a rota irá diminuir, em média, dez dias o tempo necessário para o transporte até a Ásia de produtos com relação ao transporte pelo Canal do Panamá, que é a atual rota para o Pacífico. Os equatorianos também pediram para participar dos estudos de logística envolvendo a criação do Plano Diretor Industrial 2016-2036 e se disseram empolgados com a informação sobre a previsão de que saia ainda neste ano a licitação do Porto do PIM, que funcionará na área da Siderama. Por esse cronograma, as obras iniciariam em 2017 e o porto começaria a operar em 2019.

registrado em: , , ,