Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Conselho aprova novos investimentos e governos costuram ações para fortalecer PIM

Notícias

Conselho aprova novos investimentos e governos costuram ações para fortalecer PIM

Entre os projetos, destaque para os focados nos pólos de duas rodas, eletroeletrônico e de plásticos. A reunião foi encerrada com um minuto de silêncio em respeito à morte do deputado Mussa Demes, um aliado do modelo Zona Franca nas discussões tributárias travadas no Congresso Nacional.
publicado: 06/11/2008 00h00 última modificação: 18/07/2016 17h14

A 235ª reunião do Conselho de Administração da SUFRAMA (CAS) realizada nesta quinta-feira (dia 6) foi marcada pela aprovação de 59 projetos industriais e de serviços, com investimentos totais de US$ 468,809 milhões e projeção de 1.424 novos postos de trabalho e pelas notícias positivas para o Pólo Industrial de Manaus anunciadas pelo governador do Estado do Amazonas, Eduardo Braga. Entre os projetos, destaque para os focados nos pólos de duas rodas, eletroeletrônico e de plásticos. A reunião foi encerrada com um minuto de silêncio em respeito à morte do deputado Mussa Demes, um aliado do modelo Zona Franca nas discussões tributárias travadas no Congresso Nacional.

“O grande número de projetos reflete a confiança do empresariado no modelo, no presidente Lula e no governador Eduardo Braga, que não têm medido esforços para manter nosso pólo industrial competitivo”, destacou a superintendente da SUFRAMA, Flávia Grosso, que teve opinião compartilhada pelo secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Ivan Ramalho, que acrescentou: “Quando aprovamos projetos aqui também beneficiamos empresas de outros Estados, já que fornecerão máquinas e insumos”.

O governador Eduardo Braga se reuniu com os ministros da Fazenda, Guido Mantega, da Casa Civil, Dilma Rousseff, e do Desenvolvimento, Miguel Jorge, para pleitear ações que visam manter, ou mesmo ampliar, a competitividade do Pólo Industrial de Manaus diante do atual cenário de crise econômica mundial. Dos ministros, Braga obteve o compromisso para o lançamento de medidas que manterão o mercado consumidor interno aquecido, conseqüentemente, a produção em alta nas fábricas da Capital do Amazonas.

“O Governo Federal está sensível e se empenhará em garantir crédito para o consumidor continuar adquirindo nossos produtos, em especial motocicletas, evitando assim demissões nas linhas de produção. Medida similar à linha de crédito a ser destinada pelo governo ao mercado de financiamento de veículos também será adotada para manter aquecida a venda de motos. Outra medida em estudo é o reposicionamento do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) para motos”. No âmbito estadual, o governador disse que vai ampliar o incentivo para microsystem.

Com relação ao Decreto 6539, que trata da redução do Imposto de Renda (IR) para a indústria pela Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), Braga disse que a legislação será revista nos próximos dias pela Casa Civil, conforme foi antecipado pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante a quarta Feira Internacional da Amazônia (FIAM 2008), realizada em setembro. O pleito das lideranças regionais é que o benefício também atenda segmentos como o ótico e assim amplie a competitividade dos produtos do PIM.

Novos investimentos
Entre os novos projetos industriais e de serviços aprovados pelo CAS nesta quinta-feira, destaque para o de implantação da Kawasaki Motores do Brasil Ltda. A fabricante de motos era uma das únicas grandes japonesas que ainda não estava baseada em Manaus com unidade própria. Além desse, outros investimentos fortalecerão a cadeia produtiva do segmento com a instalação de fabricantes de componentes. A Nichibras produzirá assentos e a Yamaha Motor Componentes investirá no aumento de sua produção, com um maior percentual de partes e peças nacionais.

A superintendente Flávia Grosso ressaltou a importância do investimento da família Guerreiro, que está retomando a produção de sacos e fios de fibra de juta, além de tecidos com a fibra. “É uma atividade que não derruba uma árvore, pelo contrário, utiliza um grande potencial nosso, que são as terras de várzea, e que também vai fomentar a economia no interior do Amazonas, com a compra da produção de juta em todo o Estado”.