Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Entidades aprofundam discussões sobre viabilidade da rota Paita-Manaus

Notícias

Entidades aprofundam discussões sobre viabilidade da rota Paita-Manaus

Assunto foi debatido durante a terceira reunião técnica sobre a interligação logística e comercial Paita-Manaus, realizada na sede da Suframa com a participação de representantes governamentais, diplomáticos, das forças armadas e das classes política e empresarial do Brasil e do Peru.
por Diego Queiroz publicado: 31/05/2019 18h07 última modificação: 31/05/2019 19h14

O aprofundamento dos custos logísticos e dos estudos de viabilidade para utilização dos terminais portuários de Paita, Yurimaguas e Iquitos, no Peru, foi o foco da terceira reunião técnica sobre a interligação logística e comercial Paita-Manaus, realizada nesta sexta-feira (31), na sede da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), com a participação de representantes governamentais, diplomáticos, das forças armadas e das classes política e empresarial do Brasil e do Peru.


Estiveram presentes autoridades como o superintendente da Suframa, Alfredo Menezes, o cônsul-geral do Peru em Manaus, ministro Gonzalo Guzman, os deputados federais Capitão Alberto Neto (PRB/AM) e Manuel Marcos (PRB/AC), o deputado estadual pelo Amazonas, Felipe Souza, e o superintendente do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) no Amazonas, Guilherme Melo Pessoa, entre outras.


O encontro dá continuidade às discussões ocorridas nos dias 22 de março e 26 de abril que tiveram o objetivo de iniciar entendimentos para viabilização de uma rota que interligue Manaus ao Oceano Pacífico por meio do Peru. A rota em discussão teria início no porto de Paita, seguindo via rodovia até o porto de Yurimaguas e, de lá, pela via fluvial, iria até a cidade de Iquitos. Depois, por hidrovia amazonense, entraria por Tabatinga e chegaria até Manaus. A rota Paita-Manaus compreende um total de 941 quilômetros de rodovias e 2.780 quilômetros de hidrovias, que podem ser percorridos em aproximadamente 12 dias. Atualmente, a rota logística do Pacífico até Manaus é realizada pelo Canal do Panamá e leva aproximadamente 24 dias.


O superintendente da Suframa, Alfredo Menezes, destacou no início da reunião a recente viagem que fez ao Estado do Acre, que resultou em um importante alinhamento com o governo acriano e entidades de classe locais com vistas a fomentar projetos de desenvolvimento regional. Segundo Menezes, tal alinhamento será importante principalmente considerando-se que está prevista, para o mês de novembro, uma reunião bilateral em solo acriano com os presidentes brasileiro e peruano para discutir temas de cooperação mútua. “Nosso anseio é que esse tema que estamos debatendo hoje, de integração logística e comercial da Amazônia com o Peru, faça parte da pauta que os dois presidentes irão discutir em novembro”, disse Menezes.


A reunião contou com as apresentações “Custos logísticos dos terminais portuários de Paita e Yurimaguas”, realizadas pelo corpo diplomático do Peru; “Controle Aduaneiro na cidade de Tabatinga/AM: legislação e práticas”, promovida por auditores-fiscais da Receita Federal do Brasil; e “Estudo de viabilidade para utilização dos portos do Peru”, realizada pelo diretor executivo de Relações Públicas, Relações Institucionais e Homologação de Produtos da Mota Honda da Amazônia, Paulo Takeuchi. As apresentações visaram principalmente ao detalhamento dos custos de transporte e de armazenamento e dos prazos de deslocamento de produtos até os terminais portuários peruanos, bem como de aspectos burocráticos que, no momento, impedem a movimentação de cargas no porto do município de Tabatinga (AM).


As discussões também revelaram como oportunidade para o Polo Industrial de Manaus (PIM) a possível utilização das rotas peruanas para buscar a ampliação da exportação de produtos do segmento de Duas Rodas, em especial as bicicletas, para mercados da América Latina. Conforme discutido na reunião, caso essa nova rota pelo Oceano Pacífico possa ser viabilizada, os produtos do PIM ganhariam competitividade em razão dos menores custos e prazos de deslocamento.


A próxima reunião está agendada para o dia 5 de julho, às 15h, também na sede da Suframa.

registrado em: , , ,