Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Guajará-Mirim doa terreno para obra da SUFRAMA

Notícias

Guajará-Mirim doa terreno para obra da SUFRAMA

Ação vai permitir a construção da nova sede da autarquia federal na localidade.
publicado: 20/10/2014 18h40 última modificação: 10/02/2016 17h35

Uma comitiva de Guajará-Mirim (RO), liderada pelo prefeito do município, Dúlcio da Silva Mendes, esteve em Manaus, na tarde desta segunda-feira (20), para entregar nas mãos do superintendente da SUFRAMA, Thomaz Nogueira, uma cópia da Lei Nº 1.737/14, que autoriza a Prefeitura a doar terreno para a construção da nova sede da autarquia federal na localidade.

Guajará-Mirim é Área de Livre Comércio (com vigência até 2050), sob administração da SUFRAMA, e necessitava de um espaço adequado para fazer a fiscalização de mercadorias e outros trâmites burocráticos necessários na zona de exceção. O terreno é uma quadra de 20 mil metros quadrados, que fica no Distrito Industrial do município, entre as avenidas Quarenta e Cinco, Mendonça Lima, Quarenta e Sete e Leopoldo de Matos. “Acreditamos ter dado um importante passo na construção desta sede, que trará satisfação não só para os empresários, mas a toda a comunidade guajaramirense”, disse o prefeito.

Doze meses
Segundo o superintendente da SUFRAMA, já havia estudo avançado para a construção da sede no município rondoniense e faltava apenas o terreno para a conclusão dos trabalhos. “A intenção e o compromisso de construir a sede já existiam, mas precisávamos da confirmação do terreno justamente para poder finalizar o projeto de acordo com as características da área disponibilizada”, explicou Thomaz Nogueira.

A previsão inicial é de que sejam necessários, pelo menos, R$ 5 milhões para a construção. “Neste exato instante já estamos passando as informações do terreno para o nosso setor de engenharia para que possamos dar início às obras”, disse o superintendente.

A doação de que trata a Lei Municipal 1.737 é a título precário. O terreno deverá retornar ao município se, nos próximos 12 meses, não for iniciada a obra. “Mas será bem antes disso”, garantiu Nogueira.