Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Líderes políticos da área de abrangência da Suframa prestigiam reunião do CAS

Notícias

Líderes políticos da área de abrangência da Suframa prestigiam reunião do CAS

Reunião do Conselho de Administração da Suframa foi prestigiada por governadores e prefeitos dos Estados da área de abrangência do modelo Zona Franca de Manaus.
publicado: 27/07/2019 11h19 última modificação: 29/07/2019 10h07

Governadores e prefeitos dos municípios e Estados inseridos na área de atuação da Superintendência da Zona Franca de Manaus – Amazonas, Acre, Rondônia, Roraima e Macapá e Santana, no Amapá – compareceram em peso à 287a Reunião Ordinária do Conselho de Administração da Suframa (CAS), realizada nessa quinta-feira (25), na sede da Autarquia. O prestígio – motivado não apenas pela participação do presidente Jair Bolsonaro no encontro, mas também pelas articulações realizadas recentemente pela gestão da Suframa junto a lideranças políticas e empresariais dessas localidades – é mais um exemplo da retomada gradual do protagonismo da Autarquia no cenário regional e nacional.

Além do governador do Amazonas, Wilson Lima, e do prefeito de Manaus, Arthur Neto, estiveram presentes também o governador de Roraima, Antônio Denarium, o governador de Rondônia, Marcos Rocha, o governador do Acre, Gladson Cameli, o prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves, e o prefeito de Guajará-Mirim, Cícero Noronha, e o secretário de Governo da Prefeitura de Macapá, Jorge da Silva Pires, entre outras autoridades.

O governador do Acre, Gladson Cameli, além de afirmar que a Amazônia é a região historicamente mais isolada do País em nível geográfico, social, tecnológico e político, ressaltou que o desenvolvimento nacional será solidificado a partir da diminuição das diferenças e desigualdades entre os entes da Federação. Ele também defendeu a Zona Franca de Manaus, descrevendo-a como “modelo sustentável” e citando que, a cada R$ 1 investido pelo governo federal no modelo, há um retorno superior em receitas e, ainda, que a Região Norte detem apenas 8,5% dos gastos tributários do País. “Evidencia-se, portanto, que a ZFM não desfruta de desigualdade nenhuma em relação aos demais federados. Com o fortalecimento do relacionamento da nossa região com o governo federal, passemos a perceber e a entender a Suframa e as políticas de desenvolvimento para nossa região como propósito de País. A ZFM não é apenas de Manaus, é do Brasil. A travessia para um Brasil mais eficiente só será possível se a fizermos juntos e esse caminho passa sem sombra de dúvidas pela Região Norte”, disse Cameli.

O governador do Amazonas, Wilson Lima, defendeu a necessidade de conciliar políticas de preservação ambiental com o progresso socioeconômico da sociedade amazônica, em especial da população residente em municípios interioranos. Outro aspecto ressaltado por Lima foi a necessidade de solucionar gargalos da região como a regularização fundiária, o que possibilitará novas ações de desenvolvimento do setor primário e de segmentos como turismo, piscicultura e mineração. Por fim, ele também cobrou que haja uma correlação coerente entre o índice de preservação da Região Amazônica ao Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) – de acordo com Lima, enquanto atualmente 97% da floresta nativa do Estado do Amazonas está preservada, 49% da população está vivendo na linha da pobreza. “A Zona Franca de Manaus tem um papel fundamental nesse processo de preservação e evolução do ser humano do Estado do Amazonas. Estamos em um momento diferente no País e também no mundo, o governo federal tem dado essa resposta de disposição da necessidade do desenvolvimento, mas desenvolvimento com responsabilidade e sustentabilidade. Presidente, conte com os governadores da Amazônia que estão torcendo para que esse País dê certo, para que haja o desenvolvimento que se espera na Amazônia e no Norte, região que por muito tempo ficou relegada a um segundo plano”, disse o governador amazonense.

registrado em: , , ,