Você está aqui: Página Inicial > Notícias > PIM acumula faturamento de R$ 62,7 bilhões em setembro

Notícias

PIM acumula faturamento de R$ 62,7 bilhões em setembro

Dados são disponibilizados pelas empresas incentivadas do parque industrial de Manaus.
por Layana Rios publicado: 05/11/2014 16h24 última modificação: 05/02/2016 17h53

O Polo Industrial de Manaus (PIM) faturou, entre os meses de janeiro e setembro de 2014, o total de R$ 62,7 bilhões, segundo dados dos Indicadores de Desempenho do PIM, compilados pela Superintendência da Zona Franca de Manaus (SUFRAMA) a partir das informações repassadas pelas empresas do Polo. O valor apresenta crescimento de 5,70% em relação ao mesmo período de 2013, quando o faturamento registrado foi de R$ 59,3 bilhões. Na comparação em dólar, o faturamento é de US$ 27.4 bilhões, 2,12% a menos que o mesmo período de 2013, quando o PIM faturou US$ 28 bilhões. Considerando o faturamento mês a mês, o valor registrado em setembro deste ano - de R$ 7,94 bilhões - só é menor que os números alcançados em outubro e novembro do ano passado, quando foi ultrapassada marca de R$ 8 bilhões.

Os segmentos Bens de Informática e Eletroeletrônico continuam sendo os principais responsáveis pelos números do PIM: somaram R$ 31,5 bilhões em faturamento, de janeiro a setembro, pouco mais da metade do faturamento total do Polo. Neste período, o segmento de Bens de Informática cresceu 9,52%, enquanto o segmento Eletroeletrônico cresceu 6,67% em relação ao mesmo período de 2013.

Entre os demais segmentos, o Metalúrgico cresceu 14,60% nos nove meses de 2014, faturando R$ 2,85 bilhões. O Termoplástico, por sua vez, cresceu 13,26%, registrando faturamento de R$ 3,28 bilhões. Já o Químico registrou crescimento de 4,12%, obtendo faturamento de R$ 7,55 bilhões. O polo de Duas Rodas continua sentindo os impactos da baixa oferta de crédito para a compra de motos e apresentou queda de 2,38%, com faturamento de R$ 10,08 bilhões. Também cresceram no período o setor Têxtil (71,30%), registrando R$ 37,9 milhões; de Beneficiamento da Borracha (23,16%), com R$ 150,27 milhões; Produtos Alimentícios (23,39%), com R$ 176,20 milhões; e Bebidas (9,15%), com faturamento de R$ 452,7 milhões.

Produção
Entre os produtos, os televisores e tablets continuam sendo os principais impulsionadores dos segmentos Eletroeletrônico e de Bens de Informática, respectivamente. De janeiro a setembro deste ano, foram produzidos 9,9 milhões de televisores com tela de cristal líquido (aumento de 12,01%) e 1,6 milhão de TVs de plasma, que cresceu a produção em 190,99% quando comparada ao mesmo período de 2013. Já os tablets registraram produção de 2,2 milhões de unidades, com crescimento de 28,01%.

Outros produtos que obtiveram crescimento na produção, a partir dos dados de janeiro a setembro, foram os condicionadores de ar, tanto split system (19,68%) com 2,78 milhões de unidades, quanto o de janela (19,37%) com produção de 537,18 mil unidades. A produção de forno micro-ondas registrou crescimento de 14,26%, com 3,49 milhões de unidades fabricadas.

Empregos
A mão de obra no mês de setembro foi de 120.089 trabalhadores, entre efetivos, temporários e terceirizados. A média mensal do ano está em 122.075 postos de trabalho, a maior já registrada para o período na história do Polo Industrial de Manaus.

“Abrimos os jornais todos os dias e vemos analistas comentando a situação da economia nacional, preocupados com o crescimento brasileiro em relação aos países vizinhos e até de outros continentes. Isso não tem sido visto em relação à Zona Franca por uma razão extremamente simples: temos tido taxas de crescimento bastante superiores ao próprio crescimento nacional. Vivemos em uma economia de mercado, isso significa dizer que temos algumas fábricas que reduzem a produção, mas por outro lado temos outras batendo seus recordes. Temos algumas fábricas demitindo, mas a média de emprego é a maior da história do modelo. Enfim, temos crescimento em todos os setores e um setor que realmente tem um problema, absolutamente pontual, que precisa ser enfrentado, que é Duas Rodas”, avaliou Thomaz Nogueira. “Mas o problema de Duas Rodas não tem relação com o modelo Zona Franca e sim com uma questão de mercado, que afetaria os fabricantes em qualquer lugar em que estivessem”, completou.

No último dia 27 de outubro, Nogueira concedeu uma entrevista coletiva em que colocou o cargo à disposição e assumiu o compromisso de ficar na SUFRAMA até a indicação de um novo superintendente, desde que isso fosse feito até 31 de dezembro. Nesta perspectiva, ele se disse feliz com a divulgação dos Indicadores do PIM de setembro. “Nesse momento que a gente conclui a nossa etapa na gestão da SUFRAMA, ver esses números nos deixa tranquilos em relação ao legado, mas agora, o mais importante é que um novo superintendente possa dar continuidade ao trabalho contando com o apoio de toda a sociedade local”, concluiu.