Você está aqui: Página Inicial > Notícias > PIM fatura R$ 80,3 bilhões de janeiro a novembro de 2014

Notícias

PIM fatura R$ 80,3 bilhões de janeiro a novembro de 2014

O valor é 5,07% maior que o acumulado no mesmo período em 2013, quando o faturamento foi de R$ 76,4 bilhões.
por Layana Rios publicado: 06/01/2015 16h34 última modificação: 03/02/2016 16h18

O Polo Industrial de Manaus (PIM) registrou faturamento de R$ 80,3 bilhões entre os meses de janeiro e novembro de 2014, conforme os dados publicados nos Indicadores de Desempenho do PIM, sintetizados pela Superintendência da Zona Franca de Manaus (SUFRAMA). O valor é 5,07% maior que o acumulado no mesmo período em 2013, quando o faturamento foi de R$ 76,4 bilhões. Já na comparação em dólar, o faturamento entre janeiro e novembro de 2014 (US$ 34.4 bilhões) é 3,31% inferior ao montante apurado no mesmo período de 2013 (US$ 35.6 bilhões).

Os segmentos Eletroeletrônico e Bens de Informática continuam sendo os principais responsáveis pelos números do PIM. Juntos, somaram, de janeiro a novembro, R$ 40,2 bilhões em faturamento, pouco mais da metade do valor total acumulado no PIM, e obtiveram crescimento de 5,33% em relação ao mesmo período de 2013. Entre os produtos que se destacaram em 2014 nestes segmentos, estão os televisores, com produção de 12,1 milhões de televisores com tela de cristal líquido (LCD) e 1,7 milhão de televisores com tela de plasma. As TVs de plasma, inclusive, apresentaram crescimento de 115,44% na produção. Os tablets também tiveram crescimento na produção de 15,18%, registrando 2,5 milhões de unidades produzidas de janeiro a novembro de 2014.

Outros segmentos que apresentaram crescimento no período de janeiro a novembro de 2014 foram o Metalúrgico, registrando faturamento de R$ 3,6 bilhões e crescimento de 15,43% em relação ao mesmo período do ano anterior; o Mecânico, com faturamento de R$ 4 bilhões e crescimento de 15,09%; o Termoplástico, que também faturou R$ 4 bilhões e apresentou crescimento de 10,45%; e o Químico, que faturou R$ 9,7 bilhões e registrou aumento de 5,30%. Cresceram ainda os subsetores Têxtil (71,48%), com faturamento de R$ 49 milhões; Bebidas (27,57%) faturando R$ 659,4 milhões; e Produtos Alimentícios (20,47%) com faturamento de R$ 219,8 milhões. O polo de Duas Rodas continua sendo impactado pelas dificuldades de acesso ao crédito para a compra de motocicletas no Brasil e teve queda de 3,73% no faturamento, registrando R$ 12,5 bilhões.

Além dos produtos já citados, obtiveram crescimento na produção no período de janeiro a novembro de 2014, os condicionadores de ar, tanto split system (crescimento de 21,98% e 3,6 milhões de unidades fabricadas) quanto o de janela (crescimento de 22,71% e 766,2 mil unidades). A produção de forno micro-ondas registrou crescimento de 17,76%, com 4,4 milhões de unidades fabricadas. Os aparelhos de GPS também registraram crescimento de 30,94%, com 129,6 mil unidades, e os gravadores e tocadores de DVD (incluindo Blu-ray) tiveram crescimento de 11,85%, com 2,6 milhões de unidades produzidas.

Na mão de obra, o mês de novembro registrou 118.485 trabalhadores, entre efetivos, temporários e terceirizados, já a média mensal do ano está em 122.329, a maior média já registrada no PIM.

Ano estável
De acordo com o superintendente em exercício, Gustavo Igrejas, mesmo ainda sem os dados de dezembro consolidados, o ano de 2014 já pode ser considerado estável. “Nossos indicadores apontam estabilidade do modelo. Recuperamos nosso patamar de crescimento em informática, mantivemos a recuperação da produção de ar-condicionado registrada nos últimos anos e tivemos um ano de Copa com bons números na área de televisores. Se o polo de Duas Rodas não estivesse enfrentando uma forte crise de crédito, teríamos um crescimento considerável da ZFM em 2014. A crise em Duas Rodas, porém, não tem qualquer relação com a Zona Franca. Não cansamos de repetir que em qualquer lugar do País que este polo estivesse, enfrentaria os mesmos problemas agora, porque a questão é de mercado, as pessoas querem comprar motos, mas não conseguem financiamento. Fora a crise de Duas Rodas, não tivemos nenhuma queda acentuada, então posso classificar 2014 como um ano bom, estável”, afirmou Igrejas.