Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Seminário na SUFRAMA tira dúvidas sobre exportação de alimentos e bebidas regionais

Notícias

Seminário na SUFRAMA tira dúvidas sobre exportação de alimentos e bebidas regionais

Evento promovido pelo Comitê Gestor do PNCE no Amazonas nesta sexta (23), no auditório da autarquia, orientou empresários sobre procedimentos e ações facilitadoras de comércio exterior
por Enock Nascimento publicado: 23/09/2016 18h45 última modificação: 23/09/2016 18h45

Os procedimentos e as ações facilitadoras necessárias para a exportação de alimentos e bebidas amazônicas foram enfocados, nesta sexta-feira (23), no auditório da Superintendência da Zona Franca de Manaus (SUFRAMA), durante o seminário “O papel do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) no comércio exterior: Procedimentos e licenças para exportação”. O evento foi promovido pelo Comitê Gestor do Plano Nacional da Cultura Exportadora (PNCE) no Amazonas, do qual a SUFRAMA é, atualmente, a coordenadora.

O seminário foi ministrado pelos servidores do MAPA Luciana Chaves, Rodrigo Leite, Consuelo Maria Lopes e Cândido Oliveira, que abordaram tópicos como “Competências do MAPA”; “Exigências do MAPA para exportação e importação de produtos de origens animal e vegetal”; “Processo de certificação para produtos orgânicos"; e “Exigências operacionais do Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro)”.

Os palestrantes detalharam os procedimentos de regulamentação e controle de mercadorias de origem animal e vegetal a serem exportadas e salientaram as condutas adotadas pelo MAPA para atestar a qualidade e segurança dos produtos a serem exportados visando à conformidade entre a legislação sanitária brasileira e as normas de sanidade exigidas pelo país importador. “Um dos procedimentos mais importantes para quem quer vender para fora do Brasil é buscar informações sobre os requisitos legais exigidos pelo país para onde se quer exportar”, frisou Rodrigo Leite.

Conhecimentos

O empresário Bruno Simões, que trabalha com a comercialização de polpa de açaí coletada no município de Benjamin Constant (AM) e começou neste ano a exportar para Estados Unidos e Canadá, elogiou a realização do seminário. “Foi uma ótima iniciativa. Tudo que eu demorei um ano para aprender e pesquisar foi ensinado, hoje, numa manhã”, observou.

O sócio proprietário do “Açaí no Ponto”, Caio Costa, destacou que o evento permitiu a eliminação de várias dúvidas e facilitou seu entendimento sobre o processo de exportação. “É uma iniciativa fantástica de orientação para aprendermos sobre as leis, certificações e instruções gerais sobre a exportação. E vem bem na hora em que fechamos um negócio para a abertura de uma unidade em Cancun, no México, e em que exportaremos produtos como polpa de açaí e crepe de tapioca”, detalhou.

Costa acrescentou que eventos de incentivo à exportação são estratégicos para a economia regional. “Nossa região tem um potencial enorme de exportação, especialmente de produtos como pescado e polpas de frutas amazônicas. É bom notar que SUFRAMA e o governo federal estão atentos a isso e pensando em beneficiar outros modelos econômicos que não apenas o setor industrial”, pontuou.

PNCE no Amazonas

A coordenadora geral de Comércio Exterior da SUFRAMA, Sandra Almeida, disse que o intuito do Comitê Gestor do PNCE no Amazonas é exatamente o de fomentar a cultura exportadora na região e possibilitar que os micro e pequenos empresários possam ter acesso facilitado aos conhecimentos e às diversas ferramentas de comércio exterior. “Desde a constituição do Comitê Gestor do PNCE no Estado, em janeiro deste ano, com a SUFRAMA à frente da coordenação e um rol de entidades atuando em parceria, diversas atividades voltadas à disseminação da cultura exportadora foram promovidas, com destaque para a realização de cursos e capacitações técnicas, ações de sensibilização e atendimentos e consultorias a empresas locais. Como resultado desse trabalho, mais de 70 empresas já estão sendo acompanhadas pelo PNCE no Amazonas, com ênfase para micro e pequenas empresas que comercializam produtos com matérias primas regionais”, destacou Sandra.