Você está aqui: Página Inicial > Notícias > SUFRAMA apresenta ZFV em congresso internacional sobre desenvolvimento

Notícias

SUFRAMA apresenta ZFV em congresso internacional sobre desenvolvimento

Palestra da superintendente Rebecca Garcia no 3º Congresso Internacional do Centro Celso Furtado integrou a mesa redonda “Cadeias globais de valor, áreas econômicas especiais e inserção da Amazônia”
por Enock Nascimento publicado: 16/09/2016 18h43 última modificação: 16/09/2016 18h43

O projeto Zona Franca Verde (ZFV) e seu potencial de fomentar o desenvolvimento regional foi apresentado pela superintendente da SUFRAMA, Rebecca Garcia, nesta sexta-feira (16), durante o 3º Congresso Internacional do Centro Celso Furtado, que está sendo realizado na Universidade Federal do Amazonas (Ufam) desde quinta-feira (15) e tem como tema principal “Amazônia Brasileira e Pan-Amazônia: riqueza, diversidade e desenvolvimento humano”.

A palestra da superintendente fez parte do painel de número 5 da mesa redonda “Cadeias globais de valor, áreas econômicas especiais e inserção da Amazônia”, que foi presidida pelo professor do curso de Economia da Ufam, Salomão Neves, e contou também com exposições da professora da Universidade Federal do ABC (UFABC), Cristina Fróes de Borja Reis, e do professor da Université Paris 9-Dauphine, Jean Marc Siröen.

Em sua apresentação, a superintendente contextualizou a criação do modelo Zona Franca de Manaus (ZFM) e destacou que o projeto Zona Franca Verde é um mecanismo de interiorização do desenvolvimento sustentável que se alia também com o pensamento estratégico dos idealizadores da ZFM. “O grande diferencial é a industrialização de produtos com matéria-prima com preponderância regional em cidades que estão localizadas em áreas de fronteira, com aproveitamento da vocação natural desses locais. Há um grande potencial de geração de emprego e renda com a instalação de bioindústrias implementando produtos a partir de matérias-primas como guaraná, urucum, dendê, açaí, entre outros”, ressaltou.

Rebecca detalhou também os critérios para definir se um produto possui ou não matéria-prima com preponderância regional: absoluta, relativa ou de importância. Na absoluta, é observado se a matéria-prima regional é maior que 50% no volume, quantidade ou peso de determinado produto final. Na relativa, é verificado se, entre todas as matérias-primas que compõem o produto, a regional é a maior. E no critério da importância, é analisado se a retirada do princípio ativo ou da matéria-prima (que só precisa ser maior que zero) promove a descaracterização do produto. “Um exemplo é a andiroba, que é muito usada por nós como anti-inflamatório. Na composição total, a andiroba não tem o maior volume ou quantidade, mas sem a andiroba o medicamento perde o efeito. Além disso, como se trata de remédio, é necessária a dosagem certa. Se fosse colocada mais andiroba do que o necessário poderia haver uma intoxicação”, explicou.

A superintendente destacou ainda que o modelo ZFM irá completar 50 anos em 2017, uma data que exige reflexão e planejamento para o futuro. “A ZFM foi criada para substituir importações e atender ao mercado nacional. A crise que o Brasil enfrenta deixou claro que não podemos pensar apenas no mercado interno e temos que ampliar nossa pauta de exportações. Também temos que nos inserir no contexto da indústria 4.0 e avançar na solução dos nossos problemas de logística e infraestrutura”, observou.

Outras palestras

Especialista em cadeias globais de valor (CGV), a professora Cristina Fróes de Borja Reis destacou que a reflexão necessária é como fazer o Brasil se inserir em atividades com mais sofisticação e valor nas cadeias já que, querendo ou não, o País está inserido no contexto global e é dominado por empresas multinacionais.

O professor Jean Marc Siröen destacou que a ZFM tem algumas especificidades em relação às outras zonas econômicas especiais do Mundo. “Primeiro, ela não foi criada apenas por questões econômicas, mas também por razões geopolíticas e de ocupação territorial. Segundo, sua localização não é perto da fronteira ou zona costeira. Apesar dos rios não é uma localização muito evidente. Terceiro, é uma zona de exportação que quase não exporta”, disse.

Por outro lado, frisou Siröen, a visão de que a ZFM não tem um grande papel na exportação do Brasil pode ser questionada ao se aprofundar em alguns números. “Sessenta e dois por cento de produtos de bem final que saem de São Paulo, na verdade, foram produzidos na ZFM”, assegurou o especialista em economia internacional.

Segundo o estudioso francês, Manaus apresenta dados positivos em comparação com outras capitais brasileiras em questões como igualdade salarial entre homens e mulheres, igualdade racial e acesso sanitário. No entanto, também possui resultados ruins em educação e analfabetismo. Para Siröen, a ZFM precisa avançar em questões como competitividade e produtividade e no preço final dos produtos. “De um modo geral, a gente (Manaus) faz melhor do que poderia, mas não é bom, ainda é insuficiente. Alguns Estados brasileiros não vão gostar dos meus argumentos a respeito da manutenção dos incentivos fiscais, mas é questionável se a cidade, tão importante para a Região Norte, alcançaria esses resultados positivos sem esses incentivos”, salientou.