Você está aqui: Página Inicial > Notícias > SUFRAMA auxilia Amapá a divulgar oportunidades da Zona Franca Verde para multinacionais japonesas

Notícias

SUFRAMA auxilia Amapá a divulgar oportunidades da Zona Franca Verde para multinacionais japonesas

Cerca de 150 empresários representantes de multinacionais japonesas instaladas no Brasil participaram, em SP, de uma apresentou sobre as potencialidades econômicas da Amazônia, visando à atração de novos investimentos a partir da regulamentação dos incentivos fiscais da ZFV.
por Diego Queiroz publicado: 18/03/2016 15h06 última modificação: 18/03/2016 16h12

O superintendente adjunto de Planejamento e Desenvolvimento Regional da SUFRAMA, Marcelo Pereira, compôs comitiva do Estado do Amapá, liderada pelo governador Waldez Góes, que participou nesta sexta-feira (18), em São Paulo (SP), da assembleia mensal da Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil. Durante o evento, que contou com a presença de aproximadamente 150 empresários representantes de multinacionais japonesas instaladas no Brasil, a comitiva apresentou as potencialidades econômicas da Amazônia, com ênfase nas vantagens competitivas do Estado do Amapá, visando à atração de novos investimentos a partir da regulamentação dos incentivos fiscais da Zona Franca Verde (ZFV).

Na condição de representante da superintendente da SUFRAMA, Rebecca Garcia, o superintendente adjunto Marcelo Pereira apresentou aos empresários o modelo Zona Franca de Manaus (ZFM) como instrumento de desenvolvimento regional capaz de alavancar a economia dos Estados de sua área de abrangência e garantir aos seus investidores oportunidades promissoras a partir das particularidades regionais. O superintendente enfatizou, especialmente, o benefício fiscal previsto no Decreto 8.597/2015, que isenta do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) os produtos que têm como base de sua industrialização a matéria-prima de origem regional. De acordo com Pereira, o benefício representa o mais novo esforço do governo federal voltado ao desenvolvimento das Áreas de Livre Comércio (ALCs).

“Numa economia de escala, os custos industriais são muito elevados e o empresariado tende a aproveitar as vantagens comparativas regionais para se tornar competitivo. A isenção de um imposto, ou de parte dele, por exemplo, é uma variável tão importante em uma região como a amazônica que pode impactar nas tomadas de decisões de investidores sobre onde, quando, quanto e como investir”, disse Pereira. “Os Estados que compõem a Zona Franca de Manaus têm todo o apoio da SUFRAMA na atração de novos investimentos e, sem dúvidas, a Zona Franca Verde tem um excelente e variado portfólio para que o empreendedor japonês tenha segurança para investir no Brasil, pois a experiência dos 49 anos da SUFRAMA prova que é possível ter uma produção de alto valor agregado na Amazônia a partir de suas matérias-primas aceitas nos mercados de todo o mundo”, complementou o representante da autarquia.

O governador do Amapá, Waldez Góes, que foi acompanhado em sua comitiva por representantes da bancada federal, empresários amapaenses e gestores ligados aos setores econômico, tecnológico e de comunicação do Governo do Estado, destacou o papel da SUFRAMA no apoio às ALCs, ajudando a promover – com sua ação vigilante sobre os interesses comuns para o modelo – o desenvolvimento dos Estados da Amazônia Ocidental (Acre, Rondônia, Roraima e Amazonas) e dos municípios de Macapá e Santana, no Amapá. Ele também enalteceu as potencialidades econômicas amapaenses, lembrando que o Estado dispõe de condições suficientes para implantação de indústrias em função de seus vastos recursos naturais. “São muitas oportunidades vantajosas de investimentos considerando-se as potencialidades do Amapá e as perspectivas de industrialização a partir das matérias-primas regionais, com isenção de IPI. Temos também como fator-chave a posição geográfica estratégica da Área de Livre Comércio de Macapá/Santana, para o escoamento da produção a partir da foz do rio Amazonas, ligando o continente ao oceano e alcançando facilmente os mercados americano e europeu com baixo custo”, reforçou o governador.