Você está aqui: Página Inicial > Notícias > SUFRAMA destaca importância da economia verde na busca de novos modelos sustentáveis

Notícias

SUFRAMA destaca importância da economia verde na busca de novos modelos sustentáveis

Conceito foi destacado durante o I Encontro de Comunicação Socioambiental do Amazonas.
por Layana Rios publicado: 21/03/2012 00h00 última modificação: 24/03/2016 15h44

A Coordenadora-Geral de Estudos Econômicos e Empresariais da Superintendência da Zona Franca de Manaus (SUFRAMA), Ana Maria Souza, destacou a importância da implantação dos conceitos da economia verde no estado do Amazonas durante o I Encontro de Comunicação Socioambiental do Amazonas (I ECSA), ocorrido na manhã dessa quarta-feira (21).

O evento reuniu especialistas na área ambiental, profissionais da mídia local e nacional e sociedade civil, para discutir os temas que estarão em debate na Conferência RIO+20, a ser realizada entre os dias 20 e 22 de junho de 2012, no Rio de Janeiro.

Ana Souza salientou a contribuição do Polo Industrial de Manaus (PIM) para a preservação de 98% da vegetação nativa do Amazonas, comprovada por pesquisas científicas. “É um modelo que seguiu uma evolução que se consolidou na absorção de matéria-prima que não depende da floresta, diferente de outros Estados, que encontraram suas fontes econômicas na pecuária, no extrativismo, entre outras atividades que geram grande impacto ambiental”, observou.

A coordenadora, no entanto, ressaltou a importância de buscar alternativas diante da atual conjuntura econômica. “A Zona Franca de Manaus é um modelo que preserva, gera emprego e tributos, mas vive um momento de quebra de paradigma porque a economia está mudando. Por isso, é necessário desenvolver outros segmentos, em uma política de médio e longo prazo, baseados na economia verde”, afirmou.

Para permear a discussão e propostas dentro da economia verde, Ana Souza elencou três pilares. “O primeiro é como o Amazonas vai tratar os segmentos para a baixa emissão de carbono. Segundo, quais os segmentos dentro dessa atividade econômica que têm uso eficiente de recursos, e terceiro, como vamos erradicar a pobreza incluindo a sociedade dentro desse modelo”, observou.

Diante dos desafios, Souza destacou a importância de avaliar como tornar mais verdes (limpos) os processos produtivos dos 21 segmentos que já estão consolidados no PIM, além disso, trabalhar na conversão das pesquisas em tecnologia e, ainda, buscar novos segmentos baseados na sustentabilidade dos recursos, dentro da biotecnologia.

A apresentação de Ana Souza ocorreu durante o painel “Economia Verde e a Comunicação Socioambiental no Amazonas”, que contou com a participação da secretária de estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Nádia Ferreira; o chefe do povo indígena Paiter Suruí de Rondônia, Almir Suruí; o jornalista do Estado de São Paulo, Dener Giovanni; o jornalista da sucursal de Brasília da Folha de São Paulo, Cláudio Ângelo; o jornalista Gerson Severo, do jornal A Crítica; o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Amazonas, Muni Lourenço; e a coordenadora do Movimento de Mulheres Ribeirinhas do Amazonas, Maria do Socorro Rodrigues. Pela tarde, o evento segue com o painel “A governança e a comunicação socioambiental no Amazonas”.