Você está aqui: Página Inicial > Notícias > SUFRAMA encerra 2008 com saldo positivo

Notícias

SUFRAMA encerra 2008 com saldo positivo

Aumento de faturamento do PIM, novos projetos industriais e outras variáveis positivas são alguns dos motivos que a autarquia comemora este ano.
publicado: 12/12/2008 00h00 última modificação: 18/07/2016 10h21

Em meio aos desafios enfrentados por um modelo de desenvolvimento regional, a Superintendência da Zona Franca de Manaus (SUFRAMA) encerra 2008 com saldo positivo. Crescimento do faturamento do pólo industrial, 271 novos projetos industriais e de serviços aprovados até outubro pelo Conselho de Administração da SUFRAMA (CAS), planejamento estratégico debatido e revisado em conjunto com governos e instituições da região, concessão dos benefícios fiscais para as Áreas de Livre Comércio (ALC) de Bonfim e Boa Vista (no Estado de Roraima), realização da quarta Feira Internacional da Amazônia (FIAM 2008) e a definição das próximas em anos ímpares, a partir de 2009, são alguns dos muitos motivos que a autarquia tem a comemorar neste ano que se encerra.

Com um faturamento de U$ 26,47 bilhões até outubro, resultado 26,59% maior comparado ao contabilizado no mesmo período do ano anterior, a expectativa é que o Pólo Industrial de Manaus (PIM) encerre o ano com faturamento recorde de US$ 30 bilhões. As exportações e a geração de postos de trabalho também estiveram em alta ao longo do ano. Em outubro foram registrados mais de 113 mil empregos diretos e as vendas externas alcançaram US$ 1,021 bilhão, volume 18,39% maior em relação ao verificado no mesmo período de 2007.

A aprovação de 271 projetos industriais, sendo 93 de implantação e 178 de diversificação, ampliação e atualização em diferentes segmentos do PIM, até a 235ª reunião do CAS, realizada em outubro, projeta um aumento de 28.309 postos de empregos no pólo industrial, nos próximos três anos, tempo que as empresas têm para implantar seus projetos. Atualmente, o parque fabril incentivado tem 557 fábricas, com projetos aprovados e em atividade.

Na avaliação da superintendente da SUFRAMA, Flávia Grosso, o grande número de projetos aprovados reflete a confiança do empresariado no modelo Zona Franca de Manaus, um fator de extrema relevância diante do atual cenário de crise financeira. “O cenário nos impulsiona a intensificar os esforços voltados para a ampliação da competitividade do PIM, a fim de atrair novos investimentos e propiciar o aumento da geração de emprego e renda para a população”, destaca a superintendente.

A crise econômica mundial ainda não mostrou fortes impactos nas empresas do pólo. Segundo o coordenador geral de Acompanhamento de Projetos Industriais da SUFRAMA, Gustavo Igrejas, as empresas estão tomando medidas cautelares, face à preocupação de que a restrição de crédito no mercado venha a impactar a demanda pelos principais produtos fabricados no PIM, e que dependem de financiamento. “Esta cautela é que, em alguns setores, está acarretando em férias coletivas extemporâneas, já que as mesmas ocorrem tradicionalmente no final do ano”, aponta o coordenador.

Planejamento revisado
Por intermédio de seminários e debates realizados nos Estados de sua área de atuação, que envolveram governos e representantes de instituições diversas, a autarquia revisou o seu planjamento estratégico. O conjunto de ações para os próximos anos, portanto, estará mais alinhado às potencialidades e às políticas estaduais de desenvolvimento. Além dos técnicos da Superintendência, também estiveram envolvidos pesquisadores da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), com a qual firmou convênio para a realização do trabalho, e especialistas de outras instituições de ensino e pesquisa referências no País.

Interiorização do Desenvolvimento
Com o descontigenciamento de parte de seus recursos em 2007, a SUFRAMA firmou 187 convênios com governos estaduais e municipais e instituições de ensino e pesquisa, somando investimento de R$ 192,2 milhões. Esses convênios, que entraram em execução neste ano, visam dinamizar a economia da Amazônia Ocidental (Acre, Amazonas, Roraima, Rondônia) e as ALCs de Macapá e Santana, no Estado do Amapá.

Na área de Ciência, Tecnologia e Inovação (C,T&I), estão em processo de formalização convênios que visam atender projetos de fortalecimento do sistema local, beneficiando o Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA) e Centro de Ciência, Tecnologia e Inovação do Pólo Industrial de Manaus (CT-PIM). Também serão contemplados projetos de estados e munícipios, com recursos de emendas parlamentares no valor aproximado de R$ 25 milhões.

ALCs de Roraima
Outra conquista importante deste ano foi a aprovação das ALCs de Bonfim e Boa Vista, que possibilita a isenção do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) para as empresas devidamente habilitadas no Cadastro Geral de Pessoas Jurídicas (Lei nº. 4.503, de 30 de novembro de 1964) e SUFRAMA. Consideradas estratégicas para o fortalecimento da economia de Roraima e para o incremento das relações com os países vizinhos, as duas novas ALCs abrangem toda a extensão desses municípios, com exceção das reservas indígenas. Além da isenção do ICMS, estão inclusas as isenções do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e Imposto de Importação (II).

Feira Internacional da Amazônia (FIAM)
Reconhecida como a maior vitrine de produtos amazônicos, a quarta edição da Feira Internacional da Amazônia (FIAM 2008), realizada em setembro, superou todas as expectativas da organização do evento, promovido pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), por intermédio da SUFRAMA.

Durante quatro dias, aproximadamente 100 mil pessoas visitaram a Feira. Ao todo o evento agregou 340 expositores, com estandes de diversificados segmentos: o industrial, representado pelos principais fabricantes do Pólo Industrial de Manaus, estandes institucionais (Estados e entidades de ensino, pesquisa e inovação), de ministérios do poder executivo, além de espaços que abrigaram as delegações do Equador, Chile, Colômbia, Portugal, Itália, Japão e as câmaras de comércio dos Estados Unidos e da Guiana Francesa.

Na Rodada Internacional de Negócios, transações de US$ 10 milhões foram efetivadas entre as 22 empresas-âncoras (compradoras) e as 190 ofertantes. Já a Rodada de Negócios de Turismo, com 48 empresários ofertantes e 25 compradores (18 do Brasil e sete do exterior) semeou a perspectiva de incremento de 10% no fluxo de turistas na Amazônia a curto e médio prazos.

Além das rodadas de negócios também movimentaram a FIAM 2008, a Jornada de Seminários, com platéia de mais de 2 mil pessoas; as Rodadas de Integração produtiva – Eixo Norte: Turismo e Comércio Exterior, do Fórum Consultivo de Municípios, Estados Federados, Províncias e Departamentos do Mercosul (FCCR); o 2º Encontro de Aquicultura da Amazônia, o 1º Salão de Projetos para Investimentos em Negócios Sustentáveis, a 2ª Edição da Mostra Regional de Trabalhos Técnico-Científicos; a 22ª Reunião do Conselho Nacional de Turismo; e a 14ª Reunião Extraordinária do Conselho de Administração da SUFRAMA. Na oportunidade, os conselheiros aprovaram a realização da FIAM nos anos ímpares, com a próxima edição em 2009.

registrado em: , , , ,