Você está aqui: Página Inicial > Notícias > SUFRAMA fortalece atuação do Sistema MDIC em prol da sustentabilidade do Brasil

Notícias

SUFRAMA fortalece atuação do Sistema MDIC em prol da sustentabilidade do Brasil

Outros órgãos vinculados ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior também apresentaram iniciativa similar.
por Diego Queiroz publicado: 19/06/2012 00h00 última modificação: 18/03/2016 17h57

Reforçando as contribuições do Governo Federal para a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) realizou na segunda-feira (18), no espaço do Pavilhão Brasil no Parque dos Atletas, série de palestras com o tema “Inovação, Competitividade e Sustentabilidade no Sistema MDIC”.

O evento, que contou com apresentações da Superintendência da Zona Franca de Manaus (SUFRAMA) e dos demais órgãos vinculados à estrutura do Ministério, além de entidades parceiras e representantes das indústrias de papel e celulose e de carvão, teve o objetivo de ratificar as contribuições do Sistema MDIC ao esforço do Governo Brasileiro para promover a sustentabilidade.

Diversas iniciativas e projetos em efetivação pelo Sistema MDIC foram apresentadas e debatidas, com destaque para os programas de Rotulagem Ambiental e de Qualidade Ambiental, desenvolvido pelo Ministério em parceria com a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT); o Programa de Patentes Verdes, executado pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI); o Programa Brasileiro de Etiquetagem, coordenado pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro); e as Linhas de Produtos Financeiros Sustentáveis, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O evento também contou com discussões sobre as relações entre design, desenvolvimento e economia verde, com foco na consolidação de processos produtivos sustentáveis a partir da convicção de que a sustentabilidade é, de fato, uma oportunidade para a indústria brasileira.

A Zona Franca de Manaus (ZFM) assumiu papel de destaque em meio à série de palestras por constituir-se em uma das ações mais representativas do Governo Federal na Amazônia visando ao desenvolvimento sustentável. O superintendente da SUFRAMA, Thomaz Nogueira, que realizou a apresentação institucional, apontou que a criação da ZFM, há 45 anos, instituiu na região um modelo capaz de gerar impacto ambiental reduzido e movimentar faturamento superior inclusive ao Produto Interno Bruto (PIB) de alguns países. “A realidade econômica faz com que o Estado do Amazonas, por conta da existência do Polo Industrial de Manaus, seja um dos poucos Estados brasileiros que arrecada e arremete mais recursos para o Governo Federal do que dele recebe. O Amazonas é um exportador líquido de capital e isso representa um dos pontos de sustentabilidade do modelo Zona Franca de Manaus”, afirmou.

Ele voltou a defender que a ZFM faz sentido do ponto de vista social, econômico e ambiental e destacou também a importância do PIM como alternativa econômica que possibilitou a preservação de 98% da cobertura vegetal nativa do Estado do Amazonas. Nogueira ressaltou, ainda, que o Sistema de Educação, Ciência e Tecnologia na região tem sido amplamente fortalecido por conta dos investimentos realizados pelas indústrias do PIM em contrapartida aos incentivos fiscais recebidos. “Muitas vezes a Zona Franca de Manaus pode ser desconhecida ou incompreendida por parte da sociedade brasileira, mas estamos falando de um modelo de desenvolvimento sustentável reconhecido internacionalmente e que preservou grande parte da floresta deste país”, afirmou Nogueira, que, durante a palestra, também falou sobre o projeto de cooperação entre os Governos do Brasil e do Japão que resultou na elaboração do Plano Diretor de Resíduos Sólidos no PIM.

As contribuições e os resultados do modelo Zona Franca de Manaus também foram ressaltadas pelo diretor do Departamento de Competitividade Industrial do MDIC, Alexandre Comin, que afirmou que o Polo Industrial de Manaus é uma experiência única. “Existem centenas ou milhares de zonas francas desse tipo no mundo inteiro, mas não conheço nenhuma que tenha tido o papel que a Zona Franca de Manaus teve em termos de preservação de recursos naturais. O desafio da SUFRAMA é continuar criando oportunidades, inclusive vinculando-as cada vez mais com o potencial da biodiversidade da Amazônia”, disse Comin.

O analista de Comércio Exterior do MDIC, Antônio Juliani, que apresentou durante o evento o Programa de Rotulagem Ambiental, disse que as discussões para implementação do projeto ainda estão em estágio inicial e que é importante que a Região Amazônica esteja contemplada dentro dessa iniciativa. “Como o foco é o comércio exterior, a marca da Amazônia tem grande valor e precisa fazer parte. Queremos agregar mais pessoas a essa discussão, pois o programa de rotulagem visa justamente a reverter os resultados em benefícios ambientais e socioeconômicos para as populações locais”, disse.

registrado em: , , , ,