Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Suframa reúne com a Câmara de Comércio e Indústria Nipo-Brasileira do Amazonas

Notícias

Suframa reúne com a Câmara de Comércio e Indústria Nipo-Brasileira do Amazonas

Encontro teve por objetivo a apresentação das propostas de trabalho da administração da Autarquia e a discussão de sugestões de dirigentes industriais de empresas de origem japonesas instaladas no Polo Industrial de Manaus, com vistas a ampliar a competitividade da indústria local e fomentar investimentos na região.
por Márcio Gallo publicado: 28/08/2019 17h00 última modificação: 28/08/2019 18h30

A Câmara de Comércio e Indústria Nipo-Brasileira do Amazonas (Kaigisho) promoveu na noite de terça-feira (27), nas dependências do Novotel, no Distrito Industrial de Manaus, uma reunião entre os dirigentes e associados da entidade com a atual gestão da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa). O encontro teve por objetivo a apresentação das propostas de trabalho da administração da Autarquia e a discussão de sugestões de dirigentes industriais de empresas de origem japonesas instaladas no Polo Industrial de Manaus (PIM), com vistas a ampliar a competitividade da indústria local e fomentar investimentos na região.

Pela Suframa, participaram do evento os superintendentes Alfredo Menezes, Gustavo Igrejas, Luciano Tavares, Alcimar Martins e Sandro Gomes, além do coordenador-geral de Planejamento e Programação Orçamentária da Suframa e membro titular da Autarquia no Grupo de Gestão do Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA), Fábio Calderaro. Eles foram recebidos pelo presidente da Kaigisho, Yoshiyuki Goto, e pela Cônsul-Geral do Japão em Manaus, Hitomi Sekiguchi.

Na ocasião, foi apresentado o organograma da entidade e a evolução da quantidade de associados desde a criação da Kaigisho, em 1987. "Começamos com 45 associados e, hoje, temos 58, sendo 30 representando o setor industrial em empresas de produtos acabados, componentistas, eletroeletrônicos, fotográfico e farmacêuticos, dentre outras", disse Goto. Também foram destacadas as atividades da Câmara, voltadas a estreitar o relacionamento com entidades governamentais, sociais e de classe, buscando a defesa do PIM e do modelo Zona Franca de Manaus (ZFM) tendo, para isso, atuação conjunta com a Suframa e Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam), Centro da indústria do Estado (Cieam) e Associação dos Fabricantes de Componentes das Indústrias e Empresas de Serviços do PIM (Aficam).

O titular da Suframa, Alfredo Menezes, apresentou as iniciativas da atual gestão para a Autarquia e para a Zona Franca de Manaus, alinhadas com o governo federal. "Recebemos a Suframa com orientações claras do presidente Jair Bolsonaro e sua equipe econômica de recuperar o protagonismo da Autarquia e alavancar ações em todos os Estados da área de abrangência do modelo. Neste sentido, buscamos nos reunir com todos os governadores e prefeitos de nossa área de atuação e deixamos claro que temos total interesse em apoiar ações que gerem benefícios socioeconômicos na região e no País", disse.

O superintendente ainda destacou que a inovação é uma realidade e que as empresas do PIM devem buscar para garantir competitividade e aumento de produtividade. "Viajei recentemente para a cidade de Aachen, na Alemanha, que concentra fortemente atividades relativas à Indústria 4.0 e esta é uma realidade que todos devemos atuar para fomentar na Zona Franca de Manaus. Estamos propondo parcerias com vistas a capacitar recursos humanos para atender a esta importante demanda da indústria mundial", acrescentou.

Os presidentes e dirigentes industriais apresentaram, ainda, perguntas e demandas dos setores industriais para contribuir com o equilíbrio do ambiente econômico local e nacional, a fim de fomentar a atividade industrial e até mesmo possibilitar o acréscimo nas exportações de produtos oriundos do Polo Industrial de Manaus.

O Japão no PIM
Segundo levantamento feito pela Câmara de Comércio e Indústria Nipo-Brasileira do Amazonas, a contribuição das empresas japonesas no Polo Industrial de Manaus representou, em 2017, 15% do faturamento do parque fabril manauara. Além disto, 16% do total de empregos gerados no mesmo ano estavam em empresas de capital japonês, que representavam 7% do total instalado na região.