Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Superintendente Rebecca Garcia elenca janelas de oportunidades do modelo ZFM durante 'Encontro de Notáveis'

Notícias

Superintendente Rebecca Garcia elenca janelas de oportunidades do modelo ZFM durante 'Encontro de Notáveis'

Evento foi realizado na noite dessa quinta-feira (25), no Studio 5 Centro de Convenções.
por Diego Queiroz publicado: 26/02/2016 09h27 última modificação: 26/02/2016 10h39

A superintendente da SUFRAMA, Rebecca Garcia, foi uma das personalidades convidadas a palestrar na 166ª edição do 'Encontro de Notáveis', realizado na noite dessa quinta-feira (25), no Studio 5 Centro de Convenções, Zona Sul de Manaus. Durante o evento, cuja organização é liderada pelo Centro da Indústria do Estado do Amazonas (Cieam) e que contou também com apresentações dos economistas Jaime Benchimol e Wilson Périco, Rebecca fez questão de elencar pontos estratégicos que se configuram como janelas de oportunidades para o modelo Zona Franca de Manaus e para a economia regional, entre os quais a implantação da Zona Franca Verde; o fortalecimento do Distrito Agropecuário da SUFRAMA; o aprimoramento e o melhor aproveitamento de produtos e serviços inseridos na cadeia turística amazônica; o foco na ampliação das exportações, buscando fazer com que produtos do Polo Industrial de Manaus ganhem participação no mercado externo como alternativa a crises econômicas internas; e a elaboração de um Plano Diretor Industrial que indique, claramente, metas e metodologias a serem seguidas nos próximos 20 anos.

No início de sua palestra, a superintendente comentou o momento difícil de crise econômica por que passa o País, mas defendeu que a união é o principal caminho para a superação. "A crise faz parte do processo de toda economia. Vamos tentar vencer o momento em que estamos vivendo. A SUFRAMA quer contribuir com todos os parceiros para que passemos juntos por esse período difícil", afirmou.

Um tema constantemente mencionado pela superintendente em sua palestra foi a Zona Franca Verde. De acordo com Rebecca, esta é uma iniciativa pioneira que pode potencializar a missão da SUFRAMA enquanto agência de desenvolvimento regional e, ao mesmo tempo, reaproximar politicamente a autarquia de todos os Estados de sua área de atuação - Amazônia Ocidental (Acre, Amazonas, Rondônia e Roraima) e municípios de Macapá e Santana, no Estado do Amapá. "Pela primeira vez, a SUFRAMA constitui uma ferramenta que poderá interiorizar o desenvolvimento pretendido desde o início da criação do modelo ZFM para toda a região da Amazônia Ocidental mais Macapá/Santana", comemorou a dirigente.

Ela também comentou que a implantação da Zona Franca Verde permitirá o aproveitamento de vocações e potencialidades naturais da região, abrindo oportunidades para negócios em fitoterápicos, polpas, extratos e concentrados de frutas regionais, madeira, farinha de mandioca, aquicultura e piscicultura, entre outros produtos e segmentos.

No que diz respeito à aproximação política com Estados vizinhos, Rebecca afirmou que a primeira reunião do Conselho de Administração da SUFRAMA (CAS) em 2016, a ser realizada nesta sexta-feira (26), é uma indicação de que essa relação está começando a se fortalecer. "Estamos notando uma mobilização muito grande das bancadas da Região Norte para participação no Conselho. Na reunião preparatória para esse encontro, sentimos o Amapá e o Acre em peso e uma forte representação do Amazonas também. Isso é muito importante, pois dessa forma damos mensagens a todo o País de que estamos unidos e a bancada de apoio ao modelo Zona Franca de Manaus não é composta apenas por três senadores do Estado do Amazonas, mas sim por 15 senadores representativos de toda a Amazônia Ocidental, mais o Estado do Amapá", ressaltou a superintendente.

PPBs, DAS, exportação e Plano Diretor Industrial
A necessidade de "abrir" o Polo Industrial de Manaus para o resto do mundo também foi comentada pela superintendente em sua apresentação. Ela lembrou que interlocuçoes recentes junto ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), em parceria com o Centro da Indústria do Estado do Amazonas, a Federação das Indústrias do Estado do Amazonas e demais entes reprensetativos da classe industrial, resultaram na criação do Grupo Técnico Permanente para o Incremento da Competitividade da Zona Franca de Manaus como Plataforma de Exportação (GT-ZFM). "O governo federal inseriu a ZFM no Plano Nacional da Cultura Exportadora e temos conseguido, por meio do Grupo Técnico de Trabalho, debater diversas demandas e entraves nessa área. O nosso modelo foi criado para abastecer o mercado consumidor e nós não queremos deixar de vender para o Brasil, mas queremos, também, ter o direito de vender com competitividade para o resto do mundo", afirmou Rebecca.

Ao falar sobre os Processos Produtivos Básicos (PPBs), ela afirmou que, desde o mês de novembro de 2015, já foram publicadas 33 portarias interministeriais tratando de PPBs para a Zona Franca de Manaus. "Estamos trabalhando constantemente na aprovação dos PPBs e aos poucos vamos caminhando. Com isso, estamos garantindo que nossos investimentos permaneçam na região", defendeu.

O Distrito Agropecuário da SUFRAMA (DAS) também foi tema de destaque na apresentação da superintendente. Ao defender que a SUFRAMA tem em sua missão original a atribuição de desenvolver a industria, o comercio e a agropecuaria, ela pontuou que todas essas vertentes - e não apenas a industrial - são importantes no entendimento da autarquia. "É por isso que a SUFRAMA está preocupada, atualmente, em resgatar os polos agropecuário e comercial. No caso específico do Distrito Agropecuário, tive a oportunidade de fazer uma visita àquela área recentemente e me surpreendi positivamente. Temos grandes produtores lá, com oportunidades de igual tamanho. Precisamos potencializar os produtos que já existem por vocação no Distrito e fazer com que esses produtos se transformem em vendas, em comércio. Com isso, teremos produtos do setor primário que servirão não apenas à subsistência, mas também para vender para o resto do País, e quem sabe, até mesmo para o resto do mundo", pontuou.

Por fim, ela afirmou que a gestão da SUFRAMA está concentrada fortemente na definição de um Plano Diretor Industrial que ditará metas, metodologias e tendências para os próximos 20 anos da indústria regional. "Quando cheguei à SUFRAMA, demandei muito a equipe técnica visando à elaboração de um plano industrial que nos permita saber onde queremos chegar daqui a 20 anos e o que faremos para chegar lá. Nenhuma indústria trabalha sem esse plano, então entendemos que seria fundamental construir essa ferramenta, em parceria com a indústria, com o governo do Estado e demais entes, de forma que tenhamos condições de planejar o futuro do modelo Zona Franca de Manaus", disse.