Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Thomaz Nogueira visita indústrias do PIM

Notícias

Thomaz Nogueira visita indústrias do PIM

Esta foi mais uma ação de diálogo com as classes produtoras do Polo Industrial de Manaus.
publicado: 20/04/2012 00h00 última modificação: 23/03/2016 16h02

Em mais uma ação de diálogo com as classes produtoras do Polo Industrial de Manaus (PIM), o superintendente da Zona Franca de Manaus, Thomaz Afonso Nogueira, iniciou nesta sexta-feira, 20, a agenda de visitas às fábricas do Distrito Industrial. Nogueira conversou com diretores e conheceu as instalações da Voith Hydro da Amazônia (turbinas para usinas hidrelétricas) e da Microservice (mídias digitais, itens plásticos e motocicletas entre outros).

Nas visitas, Thomaz Nogueira esteve acompanhado do assessor especial, Oldemar Ianck, dos superintendentes adjuntos, Gustavo Igrejas (Projetos), Francisco Arnóbio (Administração), José Adilson de Jesus (Operações) e do coordenador-geral de Acompanhamento de Projetos Industriais, José Jorge Júnior.

O gerente geral da Voith Hydro em Manaus, Leonardo Nuzzi fez uma explanação das atividades da empresa e das perspectivas de novos negócios, com base em 18 projetos de usinas hidrelétricas no País. A empresa já tem partes e equipamentos completos de turbinas enviadas para as usinas de Santo Antônio, Jirau (RO) e Ferreira Gomes (AP). O superintendente também tomou conhecimento das ações de qualificação profissional da empresa que firmou parcerias com o Serviço Nacional de Aprendizado Industrial (Senai) para formação de duas turmas de soldador, além de formação de caldeireiros.

Na Microservice, Thomaz Nogueira ouviu do gerente geral de operações da empresa, Giuseppe Tedeschi, explicações sobre os processos de produção em cada etapa da empresa. O superintendente e a comitiva da SUFRAMA percorreram todas as instalações de produção de mídias digitais e produtos plásticos.

O superintendente considera que a agenda de visitas às indústrias do PIM é uma ação necessária, uma vez que permite conhecer de perto a realidade da atividade industrial do polo além de ouvir as demandas do setor. “É importante estar no local, ver como são feitos os processos produtivos e ter a real dimensão das empresas”, destacou.